"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



segunda-feira, 12 de julho de 2010

A vontade de Deus!

Romanos 12.1-2 “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.”

A vontade de Deus é boa, agradável e perfeita.
Mas como conhecê-la ou experimentá-la?
Como saber qual é o propósito especifico de Deus para nossa vida?
Como saber se estamos no centro da vontade de Deus?
Como saber se o que estamos fazendo é exatamente o que Deus estabeleceu para nós?
Como saber se estamos realizando os sonhos do coração de Deus, e não apenas os nossos próprios projetos?

Paulo, em Romanos 12.1-2, mostra-nos que o conhecimento da vontade de Deus é o resultado de um estilo de vida, e não da investigação humana.
Nós experimentamos a vontade de Deus à medida que vivemos os princípios estabelecidos por Deus em sua palavra.
Neste texto Paulo nos ensina três princípios para experimentarmos a vontade de Deus para nossa vida.

1. Apresentação (Rm 12.1)

“Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.”

Todos aqueles que foram eleitos por Deus Pai, remidos pelo Deus Filho e selados para a redenção pelo Deus espírito santo devem se consagrar a Deus numa apresentação voluntaria e cheio de devoção.
As misericórdias de Deus nos motivam a consagração do nosso corpo a Deus. E nosso corpo foi comprado com o sangue de Cristo e transformado em habitação de Deus.

Apresentamos a Deus não apenas as ofertas das nossas mãos, mas nosso próprio corpo. Nosso corpo é objeto sagrado que apresentamos no altar de Deus. Nosso corpo deve ser sacrifício vivo, santo e agradável a Deus.
Mas como entender esse apresentar a Deus nosso corpo? Não é só na nossa vida de reuniões, mas quando estamos com o mundo nossa vida deve ser revestida de santidade. Nosso momento de oferta no culto será vazia de significado se não apresentamos a Deus nosso corpo em sincera consagração.
O culto racional que glorifica a Deus é aquele que procede de uma vida que se apresenta ao Senhor em santa consagração.

A palavra usada por Paulo para apresentação é a mesma utilizada pelos sacerdotes quando as pessoas traziam um sacrifício para ser oferecido no altar.
Depois que uma oferta era colocada no altar, não podia ser tomada de volta pelo ofertante.
Se entregamos ao Senhor o controle de nossas vidas e dizemos que o Senhor reina em nós não podemos tomar de volta o controle de nossas vidas!
Devemos apresentar o nosso corpo a Deus de forma definitiva. A melhor oferta que podemos trazer a Deus é nossa vida, nosso corpo.

2. Inconformação (Rm 12.2)

“E não vos conformeis com este século,”

E não vos amoldeis ao esquema deste mundo.
Como cristão não podemos nos conformar com o conformismo deste mundo.
O mundo não aceita valores absolutos. O relativismo moral é aceito como norma. O relativismo é uma doutrina que prega que algo é relativo, contrário de uma idéia absoluta, categórica. Atitude ou doutrina que afirma que as verdades (morais, religiosas, políticas, científicas, etc.) variam conforme a época, o lugar, o grupo social e os indivíduos de cada lugar.
Então a ética situacional é a lei que rege o comportamento das pessoas. Por isso o sistema de valores do mundo é pautado não pela verdade, mas pela conveniência. Não pela justiça, mas pelo prazer. Não pela honestidade, mas pelo lucro.

As pessoas têm vendido sua consciência por vantagens imediatas, burlam as leis e corrompem os tribunais por ganância. Praticam violência e imoralidade por caprichos egoístas.

Esse sistema de valores está em oposição a Deus e a sua palavra. Não podemos entrar nessa fôrma do mundo. Se você prestar atenção o mundo esta sempre mudando, o que era errado ontem se torna certo hoje. O mundo no seu afastamento de Deus chega a ponto de chamar a luz de trevas e as trevas de luz (Isaias 5.20 diz assim Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal; que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo!).

Não podemos colocar nossos pés nessa fôrma. Não podemos fazer parte deste esquema. O Senhor nos chamou para ser luz entre as trevas.

Algo importante que gostaria de compartilhar com os irmãos, a palavra conformação tem como raiz a palavra “forma”. E no grego existe duas palavras para forma:
1. schema = que tem o sentido de uma forma que está sempre mudando
2. morphe = que tem o sentido de uma forma permanente.

Schema descreve uma forma externa, enquanto morphe fala da essência.
E a palavra usada no texto de romanos para conformação é schema. O mundo esta mudando sempre. Em sua ética e valores por isso não podemos nos conformar com este mundo.

3. Transformação (Rm 12.2).

“mas transformai-vos pela renovação da vossa mente”

Não somos conhecidos apenas como o povo que diz não ao erro e ao pecado, mas, sobretudo, somos o povo que diz sim a verdade, e vive esta verdade diante de Deus e dos homens.
E essa transformação ocorre quando nossa mente é governada pela verdade.
(João 8.32 “e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”).

Essa transformação não é um arrebatamento emocional nem uma experiência mística separada de uma vida de dificuldades.
Somos transformados à medida que temos a mente de Cristo.
Somos transformados à medida que os valores do reino de Deus norteiam nossa mente, vida e conduta e relacionamentos.
Você sabe por que podemos ser transformados! Porque temos um padrão absoluto: “JESUS"
Ele é nosso modelo. O mundo passa, os costumes mudam, os valores morais são corroídos e deteriorados, mas Jesus e sua palavra jamais mudam. Por isso, quando seguimos seus passos não apenas somos transformados, mas nos tornamos instrumentos para a transformação de outros e assim experimentamos a boa, perfeita e agradável vontade de Deus.

A vida cristã é uma caminhada de transformação diária até atingirmos a estatura de varão perfeito.
Somos transformados de glória em glória.
O projeto de Deus não é apenas nos levar para a glória, mas também transformar-nos à imagem do rei da glória.

1ª João 2.15-17 “Não ameis o mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar o mundo, o amor do Pai não está nele; porque tudo que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo. Ora, o mundo passa, bem como a sua concupiscência; aquele, porém, que faz a vontade de Deus permanece eternamente.”