"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Piedade

“...exercita-te pessoalmente na piedade” (1ª Tm 4:7).

No texto acima piedade não reflete apenas um estado espiritual, senão também uma prática (exercício). Pode ser resumidamente definida como devoção à Deus e à sua causa. Surge então a questão: Como exercitar genuína piedade? Dois textos bíblicos trazem luz sobre o assunto: Mq 6:8 e Is 58:1-14. Miquéias descreve algumas características essenciais da vida piedosa que vemos detalhadas no texto de Isaías: Praticar a justiça, amar a misericórdia, andar humildemente com Deus e os resultados da vida piedosa.
1. Praticar a Justiça
O contexto de Miquéias apresenta um quadro de injustiça social apoiada pela religião com seus falsos profetas. A este tipo de devoção falsa (Cf. Mq 6:6-7), é que Deus contrapõe a verdadeira piedade (Cf. Mq 6:8). Isaias 58:1-5 começa também por este princípio ao estabelecer o que não é justiça. Os versículos 6 e 7 detalham a prática da justiça:
• Soltes as ligaduras da impiedade,
• Desfaças as ataduras da servidão,
• Deixes livres os oprimidos,
• Despedaces todo jugo,
• Repartas o teu pão com o faminto,
• Recolhas em casa os pobres desabrigados,
• Cubras o nu e,
• Não te escondas do teu semelhante (Is 58:6-7).
2. Amar a misericórdia
A expressão quer dizer “ter apego à misericórdia.” Isto vem pelo exercício como Paulo exorta a Timóteo. Jesus ao comer com os publicanos rechaça a religiosidade legalista dos escribas e fariseus quando diz: “Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero e não holocaustos...” (Mt 9:13).
A misericórdia se expressa em compaixão por aqueles que sofrem (isto envolve o mundo). Jesus não veio chamar justos, e sim pecadores ao arrependimento. Enquanto que a graça trata com os resultados do pecado. A misericórdia concede dignidade aos que a perderam por causa da queda. Por isso Jesus comeu com os publicanos e pecadores (Mt 9:10).
Equidade é traço característico da misericórdia que expressa a justiça do reino, não a nossa. Significa tratar cada pessoa de acordo com sua condição e capacidade além do estritamente legal.
3. Andar humildemente com Deus
Significa basicamente duas coisas:
a. Reconhecer nossa fragilidade e incompetência e,
b. Reconhecer a suficiência de Deus para nos fortalecer e nos capacitar.
Podem ser resumidas numa frase: “Inteira dependência de Deus.”
4. Resultados da vida piedosa (Is 58:8-14)
Vida espiritual abundante: Is 58:8, 11
Vs. 8: “Então, romperá a tua luz como a alva, a tua cura brotará sem detença, a tua justiça irá adiante de ti, e a glória do SENHOR será a tua retaguarda;”
Vs. 11: “O SENHOR te guiará continuamente, fartará a tua alma até em lugares áridos e fortificará os teus ossos; serás como um jardim regado e como um manancial cujas águas jamais faltam.”
Socorro do Senhor: Is 58:9
Vs. 9: “então, clamarás, e o SENHOR te responderá; gritarás por socorro, e ele dirá: Eis-me aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o dedo que ameaça, o falar injurioso;”
Filhos abençoados: Is 58:12
Vs. 2: “Os teus filhos edificarão as antigas ruínas; levantarás os fundamentos de muitas gerações e serás chamado reparador de brechas e restaurador de veredas para que o país se torne habitável.”
Descanso e deleite no Senhor: Is 58:13 e 14
Vs. 13 e 14: “Se desviares o pé de profanar o sábado e de cuidar dos teus próprios interesses no meu santo dia; se chamares ao sábado deleitoso e santo dia do SENHOR, digno de honra, e o honrares não seguindo os teus caminhos, não pretendendo fazer a tua própria vontade, nem falando palavras vãs, então, te deleitarás no SENHOR. Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do SENHOR o disse.”
Conclusão
Assim como nos tempos do Antigo Testamento, Deus abominava a falsa devoção através de sacrifícios que Ele mesmo ordenara, hoje, na nova aliança, Deus não mudou no seu interesse e cuidado com o mundo. Afinal, Jo 3:16, diz que Deus amou o mundo. Por isso enviou Seu filho. Da mesma forma o Filho nos envia e para tanto nos concede o Espírito Santo (Jo 20.21-22).