"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



sábado, 30 de julho de 2011

Um céu de curta duração!

Certo homem era casado com uma mulher cuja paciência não tinha limites, e ele se aproveitava disso. Para se gabar da submissão de sua esposa, ele levou um de seus colegas, o qual estava bebendo com ele no bar, para casa depois da meia-noite. Sua mulher já estava dormindo, mas se levantou para abrir a porta. 
Faça uma comida para mim – exigiu grosseiramente o marido.
Sem manifestar a menor contrariedade, essa crente foi para a cozinha.
Enquanto a observava preparar a comida, o marido sorria satisfeito consigo mesmo, mas o amigo permanecia pensativo. Quando a mulher serviu à mesa, este último se voltou para ela e disse:
Não posso compreender como você se dispõe a satisfazer os caprichos de seu marido assim!
Com tristeza, ela respondeu: – Senhor, esse é todo o céu que ele irá conhecer, e é tão curto!
O convidado se calou. Então ele repetiu em voz baixa: “Esse é todo o céu que ele irá conhecer, e é tão curto! Se isso está correto, então, o que vem depois? O inferno… que será infinitamente duradouro”. Foi para casa meditando nisso. Não conseguiu esquecer o assunto. Escutando uma pregação do Evangelho, creu na Palavra de Deus e recebeu o Senhor Jesus como seu Salvador pessoal. Assim obteve a paz com Deus. Tudo isso em conseqüência das inesperadas palavras de uma crente cuja paciência e resignação foram um testemunho efetivo do que é pertencer a Cristo.
Temos vivido dias onde somos atribulados e desafiados em nossa paciência (No transito, no trabalho, na escola, em nossos relacionamentos...) por isso precisamos estar em Cristo e demonstrar o Seu amor incondicional a todos! “A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um...” (Colossenses 4.6).
No amor de Cristo,