"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



terça-feira, 4 de outubro de 2011

Somos um vaso nas mãos do criador!

Jeremias 18.1-4 “Como o vaso que o oleiro fazia de barro se lhe estragou na mão, tornou a fazer dele outro vaso, segundo bem lhe pareceu.”
Este é um dos textos mais perfeitos da Bíblia. O profeta não é chamado para cuidar de ninguém, mas para ser cuidado. Ele desce a casa do oleiro para ver o belo trabalho que este fazia: “Um belo vaso, útil e precioso.” Neste texto podemos ver algumas importantes lições para nossas vidas:
1. Deus não desiste de trabalhar em nossas vidas.
O profeta vai à casa do oleiro não para levar uma mensagem, mas para receber uma mensagem. Ali ele vê um homem simples trabalhando em seu trabalho diário: a tarefa de moldar vasos. O oleiro pega o barro trabalha nele e tenta colocar uma forma única e singular. Quando um vaso quebra em suas mãos, ele não joga fora, mas começa a moldá-lo novamente. Assim, Deus faz em nossas vidas. Ele não desiste de nós. Somos muito preciosos para Deus, Ele não nos descarta como se fossemos algo sem valor. Ele nunca desiste de nos moldar a imagem de seu Filho. Ele nunca desiste.
Jr 18.6 “Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? diz o SENHOR; eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel.”
O trabalho de criação é reiniciado, de forma hábil e pacientemente. Ele sabe quando o vaso esta danificado, Ele cuida, molda. Eu sei que às vezes este processo não é indolor. Dói, machuca, mas o seu resultado é glorioso. O oleiro não dá apenas forma ao vaso, mas também utilidade. Normalmente fazemos distinção entre o que é útil do que é belo, entre o necessário e o elegante. Um vaso é sempre útil. Ele é moldado para ser usado com um propósito. “O vaso é usado para destacar o seu conteúdo!” Como vasos de honra refletimos a glória de nosso Deus e transportamos sempre as promessas de Seu amor e Seu reino eterno. Todos somos úteis e temos um papel especifico em seu propósito divino. Fomos criados de forma única e diferentes uns dos outros. Deus não faz vasos em serie, cada um é singular diante d’Ele.
2. Deus nos capacita para Sua obra
Um vaso é feito para um propósito. Ele sempre tem uma utilidade. Deus nos prepara para sermos usados em sua obra. Antes de usar nossa vida, Ele trabalha em nossas vidas. Deus está mais interessado no que somos do que nós fazemos. Antes d’Ele trabalhar por meio de nós, Ele trabalha em nós.
O oleiro não dá apenas utilidade ao vaso, mas também beleza. A peça é modelada, desenhada, pintada, levada ao forno e vitrificada. Um vaso além de ser útil é belo. A palavra nos diz que somos feitura de Deus. Ele não apenas nos criou, mas também esta nos moldando e transformando a imagem de Cristo. Deus esta trabalhando em nós e nos refinando até que a beleza de Cristo seja vista em nós. “As digitais de Deus estão estampadas neste vaso” A glória do vaso não esta em seu material, mas o seu conteúdo é o que lhe da beleza e valor (“Temos, porém, esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós.” 2ª Co 4.7).
3. Deus nos faz um vaso novo
Deus não faz reparos em vaso velho, Ele tem feito um vaso novo. A vida cristã não é apenas colocar um verniz ético nas rachaduras de nosso caráter. A obra de Deus em nós não é apenas uma reforma da estrutura do velho homem. Deus nos modela e nos faz um novo vaso. Em Cristo somos novas criaturas (“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” 2ª 5.17). O oleiro faz um novo vaso conforme ele determina. Não é o vaso que diz ao oleiro a forma e o propósito para qual ele é criado. O oleiro é livre para moldar o vaso como deseja (“Mas quem é você, meu amigo, para discutir com Deus? Será que um pote de barro pode perguntar a quem o fez: “Por que você me fez assim?” Rm 9.20 NTLH). Não é a nossa vontade que deve prevalecer no céu, mas a vontade de Deus que deve ser feita aqui na terra.
Concluindo, a palavra nos ensina que Deus não faz um vaso de pedra, pois esta resiste a ser moldada. Deus molda o vaso de barro, pois o barro se submete a modelagem que o oleiro deseja. Depois o leva ao forno. O fogo não destrói, mas o torna solido e útil. Depois o vaso é destinado ao uso para o qual foi criado. Fomos criados para o louvor da glória de Deus. Vasos cheios do Espírito Santo de Deus. Úteis para toda boa obra.