"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Como achar a paz de consciência?

“...não farei cair a minha ira sobre ti; porque misericordioso sou, diz o Senhor, e não conservarei para sempre a minha ira. Somente reconhece a tua iniqüidade, que transgrediste contra o Senhor teu Deus...” (Jeremias 3.12-13).
Em Lucas 18, O Senhor Jesus conta uma parábola sobre dois homens que foram ao templo de Jerusalém. O primeiro, satisfeito consigo mesmo, agradecia a Deus por não ser como os demais homens, na opinião dele ladrões, injustos e adúlteros. O segundo homem fazia um trabalho desprezível naquele tempo: coletava impostos para os romanos. Este temia se aproximar de Deus e batia no peito, dizendo: “Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador!” (v. 13). O Senhor Jesus disse a algumas pessoas que este homem voltou “justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado” (v. 14).
Não se trata de saber qual agiu melhor ou pior, mas de perguntar qual tomou a posição adequada diante de Deus. O primeiro, cheio de orgulho, esperava uma recompensa por suas “boas obras” e se vangloriava de sua moral ilibada. O segundo pranteava sua indignidade; sabia que tinha pecado e não se apoiava em seus méritos. O primeiro acreditava que Deus tinha de gostar dele; o segundo só esperava pela misericórdia divina.
E você, amado irmão, em qual posição está? A de uma pessoa honesta que se esforça por agradar a Deus? Se esse é o seu caso, deixa eu te dizer algo: Aos olhos de Deus isso não é suficiente. Mas se você reconhece sua pecaminosidade diante do Deus Santo, então pode confiar sem medo nesse Deus Senhor e Salvador de nossas vidas.
No amor de Cristo, Chico.