"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



domingo, 1 de julho de 2012

A Unidade que Almejamos

“...todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça, diante da Porta das Águas...” (Neemias 8.1).
O texto acima se insere no contexto da restauração dos muros de Jerusalém. Não deixa, entretanto, de ser uma passagem profética que aponta para a unidade da igreja, como um intento do coração de Deus. A unidade é obra do Espírito Santo, que tem em nós o instrumento para, através da palavra e da comunhão, realizar a obra de Deus (Ef 4.3; Ef 4.12-16; At 2.42-47 e At 4.32).
Natureza da Unidade
Unidade em Cristo (“um só homem” Ne 8.1) é profético. Como dissemos aponta para a unidade da igreja em Cristo. De acordo com Ef 2.15, judeus e gentios formando um só corpo, constituem a comunidade de Deus como um só homem. Essa é a nova criação (2 Co 5.17), onde a tradução mais correta é: “...se alguém está em Cristo, nova é a criação.”
Necessidade de Intercessão pela Unidade da Igreja
“Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra; fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste.” (Jo 17.20-21).
Em sua oração,  Jesus roga pela unidade de seus discípulos e por aqueles que vierem à crer por intermédio de sua palavra, o que nos inclui. Em nossa identificação com Cristo precisamos interceder e trabalhar pela unidade da igreja anelando pelo seu cumprimento (Cf. 2 Co 11.2 e Ef 3.14-21).
Os Ministérios são Necessários à Unidade
“E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo.” (Ef 4.11-13).
O texto acima destaca que os ministérios (apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e mestres) têm a função de aperfeiçoar os santos para edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé. Ressalte-se, porém, que os ministérios dos santos também são necessários e nesta visão devem ser edificados, para haver comprometimento com o corpo.
Forma de Expressão da Unidade
A unidade se expressa através da vida em comunidade. Hebreus 10.23-25, um texto que nos exorta a congregar, ao estímulo às boas obras e admoestação mutua, tendo em vista a volta de Cristo Jesus.
a)     Princípios ativos da vida em comunidade:
- Envolvimento (Gl 6.9-10);
- Interação (Ef 4.11-13 e Ec 4.9-10);
- Instrução (Hb 13.7; Ef 4.11-13 e At 2.42); e,
- Crescimento (Ef 4.11-16).
b)    A unidade se expressa pelo serviço (1Co 9.19-20):
- Princípios ativos do serviço cristão;
- Um coração disposto (Ex 35.20-22);
- Um coração generoso (2Cr 29.31);
- Um coração afetuoso (2Rs 22.19); e,
- Um coração devotado (1Co 16.15-18).
Portanto, a unidade se faz necessária:
“...para que não haja divisão no corpo; pelo contrário, cooperem os membros, com igual cuidado, em favor uns dos outros...” (1Co 12.25);
“Para que não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro.” (Ef 4.14);
“Para que sejamos aperfeiçoados...” (Jo 17.23); e,
“Para que o mundo creia...”