"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



quarta-feira, 10 de abril de 2013

Não podemos nos cansar de fazer o bem!

“E OUTRA vez entrou na sinagoga, e estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada. E estavam observando-o se curaria no sábado, para o acusarem. E disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te e vem para o meio. E perguntou-lhes: É lícito no sábado fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? E eles calaram-se. E, olhando para eles em redor com indignação, condoendo-se da dureza do seu coração, disse ao homem: Estende a tua mão. E ele a estendeu, e foi-lhe restituída a sua mão, sã como a outra.” (Marcos 3.1-5).
Ao meditar neste texto hoje pela manhã, o Espírito Santo me chamou a atenção para o fato, que Jesus estava mostrando a todos que estavam ali reunidos, que há pouca diferença entre fazer o mal e deixar de fazer bem (Tiago em sua epístola, também nos adverte acerca deste fato - Tg 4.17).  A alguns pontos neste texto, que vale a pena ponderarmos:
1. Há uma necessidade de um renovo espiritual em nossas vidas (vs. 1 e Ef 2.1). Pela pressão e correria do dia a dia, acabamos por ficar indiferentes a fatos e situações que ocorrem ao nosso redor. Quantas pessoas que fazem parte de nossas rotinas diárias não estão com suas mãos ressequidas, pelo pecado. Suas mentes doentes deformadas pelas angustias emocionais e morais. Suas vidas sobrecarregadas pelo peso dos traumas que carregam. Não podemos nos esquecer, nunca, que Jesus prometeu estar presente no meio do Seu povo eternamente (Mt 28.20).
2. Todos nós somos chamados por Cristo para reconhecermos nossas necessidades e declará-las publicamente! “...vai para o meio...” (vs. 3). Jesus conhece os nossos mais secretos motivos do coração! Jesus não está somente presente em nosso dia a dia, Ele também examina nossos corações, Ele conhece nossas motivações. Seus olhos são como chamas de fogo (Ap 1.14 e 2.18). Jesus está presente vendo não somente nossa postura exterior, mais sim, nosso coração. Ele investiga nossas motivações, Ele sonda nossos corações, conhece nossos pensamentos, investiga nossa consciência. Ele discerne a dureza de nosso coração. Algo importante que o texto de Mc 3.5 nos ensina é que Jesus em sua indignação não usou sua ira para exercer juízo na vida daqueles homens, mas sim, para encontrar soluções construtivas e corrigir o problema, curando o enfermo, sendo assim, cheio de compaixão do necessitado demonstrou amor, diante de tão grande dureza nos corações.
3. Todos nós precisamos exercer fé estendendo nossas mãos ao Senhor (vs.5). Na passagem paralela deste texto em Lucas 6.8, Jesus encorajou aquele homem a assumir sua condição publicamente. Jesus diz aquele homem: “levanta-te!” Aquele homem estava prostrado, caído, cabisbaixo, derrotado, vencido. E o pior, não queria confessar publicamente sua necessidade. Antes da cura, é preciso assumir a condição da doença que enfrentamos. Não podemos nos esconder, precisamos quebrar todo embaraço, sair da caverna, assumir nossa condição de total dependência do amor e da misericórdia de Deus. É preciso reconhecer nossa condição e declará-la publicamente, diz Lucas: “Ele se levantou e permaneceu em pé...” (Lc 6.8).
Antes de curar-nos, Jesus quer nos livrar de tudo que impede o mover do Espírito Santo em nós. Antes do Senhor curar a Naamã, Ele mandou-o mergulhar no rio Jordão sete vezes. Por que? Para que Naamã se despojasse de sua amadura e assumisse publicamente que era leproso. Diante de nossos fracassos e falhas o Senhor nos cura, assim como fez com Pedro diante de uma noite de pescaria frustrada e vergonha para um exímio pescador, que em seu conhecimento nada pescou. Jesus diz a Pedro: “Faze-te ao largo e lançai as vossas redes para pescar...” (Lc 5.4).  Pedro atendeu a ordem de Jesus e apanhou grande quantidade de peixes e reconheceu a sua condição (Lc 5.8).
Concluindo, amados, Jesus não mudou. Sua palavra tem a mesma autoridade hoje. Se você crer, algo extraordinário pode acontecer com você. Talvez sua vida emocional esteja amassada e atrofiada.  Talvez seus relacionamentos esteja ressecados e sem vida. Talvez seu casamento já perdeu a alegria e o entusiasmo. Talvez sua vida financeira esteja em colapso e na UTI. Meu irmão, deixa eu te dizer algo, Jesus pode dar vida nova ao que está morto e vitalidade ao que está ressecado. Quando obedecemos ao Senhor, vemos o milagre acontecer! Creia sempre!