"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



sexta-feira, 12 de abril de 2013

Precisamos transformar nossas tribulações em triunfo


Ao lermos o texto de Tiago 1.2-4, podemos deduzir que as provações são compatíveis com a nossa fé (vs. 2). Por que os crentes sofrem? Por que um crente passa por privações? Por que sofre prejuízos?  
Amados, não podemos nos esquecer que o Senhor nos adverte para estarmos preparados para passarmos por provações (“...no mundo tereis aflições...” Jo 16.33).
Paulo diz: “...por muitas tribulações nos é necessário entrar no reino de Deus...” At 14.22.
Sendo assim, confiantes em Cristo e no Seu ensino, precisamos aprender com as tribulações, pois elas procedem:
        1.   Da nossa humanidade
Somos humanos, sofremos doenças, estamos passiveis a sofrer acidentes, sermos desapontados. Enfim, somos mortais.
        2.   Da nossa natureza pecaminosa
Criamos problemas com nossa língua, com nossas atitudes e reações. Por exemplo: Uma pessoa que morre de câncer, depois de ter fumado por anos, não pode culpar ninguém por sua morte. Muito de nosso sofrimento é fruto de nossas escolhas erradas.
        3.   Da nossa vida cristã
Por declararmos Cristo como Senhor de nossas vidas, somos perseguidos por satanás, pelo mundo e por nossa carne, pois militam contra o Espírito que habita em nós! Por isso, não podemos deixar de glorificar a Deus em nossas vidas. Como Cristo disse na questão do cego de nascença: “...mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus.” (Jo 9.3).
Concluindo, qual deve ser a nossa atitude diante das tribulações que podemos sofrer? Tiago responde: “...tende por motivo de grande gozo...” Em vez de murmurar, reclamar, de ficar amargo. Devemos nos alegrar intensamente. Essa alegria é confiança segura na soberania de Deus, de que Ele está no controle, Ele sabe o que está fazendo. Maturidade espiritual não se aprende em livros de auto-ajuda, é preciso passar pelas provas (1 Co 3.1-23).