"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



domingo, 10 de janeiro de 2016

Restaura, Senhor, a nossa sorte!

Sempre que chegamos ao final de mais um ano, sinto a necessidade de fazer uma retrospectiva, é tempo de fazer um balanço. Pensar em minhas ações neste ano e planejar novas metas para ano que se inicia. Nunca se ouviu tanto a palavra crise, para tudo se tem falado dela: crise hídrica (falta de água), crise na saúde, crise na segurança, etc... E a mais falada é que o país está em crise... Por isso, gostaria de deixar uma mensagem de esperança, pois a esperança vence a crise, derrota o medo, transpassa as barreiras. O salmista no salmo 126, nos ensina a vencermos este momento que estamos passando, ele nos ensina a como vencer a crise: 1. Devemos olhar para trás com gratidão, 2. Olhar para o presente com súplicas e 3. Devemos olhar para o futuro com esperança. O Salmo 126 ajuda-nos nesse exercício:
1. Devemos olhar para o passado com gratidão (“Quando o SENHOR restaurou a sorte de Sião, ficamos como quem sonha. Então, a nossa boca se encheu de riso, e a nossa língua, de júbilo; então, entre as nações se dizia: Grandes coisas o SENHOR tem feito por eles. Com efeito, grandes coisas fez o SENHOR por nós; por isso, estamos alegres.” Salmos 126.1-3). Quando olhamos para o passado, temos uma facilidade em lembrar de momentos de crises e dificuldades que passamos, e uma imensa dificuldade de lembrar de coisas boas que aconteceram no decorrer do ano. Somos herdeiros de Deus e estamos assentados com Cristo nas regiões celestes, acima de todo principado e potestade. Há um cântico em nossos lábios e uma festa em nossa alma que precisamos expressar. Devemos ser gratos por tudo o que Deus tem feito por nós!
2. Devemos olhar para o presente com súplicas (“Restaura, SENHOR, a nossa sorte, como as torrentes no Neguebe.” Salmos 126.4). O salmista voltou os olhos do passado para o presente e percebeu que as vitórias do ontem não servem para nos manter de pé hoje. As vitórias do passado não são suficientes para nos tornar vitoriosos no presente. Todo o dia é tempo de andar com Deus. Todo dia é tempo de ser cheio do Espírito. Não podemos viver do passado nem morar na saudade. Precisamos depender de Deus a todo tempo, o tempo todo. Mais do que isso, é preciso saber que não temos forças para restaurar nossa própria sorte, estamos vivendo dias terríveis onde a família tem sido atacada, os valores morais estão se desmoronando. Só Deus pode restaurar nossa vida. Sabe amados, a vida é feita de decisões e às vezes não decidimos entre se devo ou não tomar esta decisão, mas se ela vai ser boa ou melhor para mim. Aprendemos com isso, porém, que a crise não é o fim da linha. A sequidão de nossa vida não deve nos levar ao desespero, mas à súplica ardente. A consciência da crise espiritual pode nos levar aos pés do Senhor para uma virada bendita em nossa história. Somente o Senhor tem poder para nos restaurar. Só d’Ele vem a nossa cura. Essa restauração é uma obra milagrosa. Assim como os rios invernais rasgam as areias escaldantes do deserto do Neguebe, o maior deserto da Judéia, Deus também, faz nossa alma florescer em tempos de sequidão. Ele mesmo nos concede um novo vigor espiritual e transforma nossos vales em mananciais cheios de vida!
3. Devemos olhar para o futuro com esperança (“Os que com lágrimas semeiam com júbilo ceifarão. Quem sai andando e chorando, enquanto semeia, voltará com júbilo, trazendo os seus feixes.” Salmos 126.5,6). Depois de olhar para o passado com gratidão e para o presente com súplicas, precisamos agora rever quais são os nossos propósitos de vida, onde temos investido nosso tempo, nossa vida. Há uma palavra de Deus no livro do profeta jeremias (Jr 17.7-8) que gostaria de deixar para você como uma palavra profética: “Ultimamente só ouvimos falar que em 2016 a crise vai continuar, mas precisamos tomar posse desta palavra : “Quem confia no Senhor, mesmo no ano de sequidão (crise) não se cansa e nem deixa de dar fruto.”  Crise é oportunidade para crescer, para sermos melhor, fazer a diferença nesta sociedade tão carente de exemplos de fidelidade, de integridade e perseverança. É preciso sair para semear. A recompensa da colheita é maior do que o sacrifício da semeadura. Fazer a obra de Deus é investir para a eternidade.
Hoje, Deus nos convoca para sermos seus cooperadores. Concede-nos a graça de investirmos nosso tempo, bens, talentos e dons em seu trabalho. Portanto, levantemo-nos, irmãos, e coloquemo-nos a seu dispor. O Deus da nossa salvação e da nossa restauração, agora, nos alista em seu trabalho. Mãos à obra, sem esmorecer. Lança a semente, com a certeza de que o crescimento, Deus mesmo nos dará, ainda que seja em meio às crises!
Um feliz e abençoado 2016!
No amor de Cristo,
Chico

Crescimento Espiritual










“desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação, se é que já tendes a experiência de que o Senhor é bondoso.”
(1 Pedro 2.2-3)
Pedro nos ensina nestes versos acerca do crescimento espiritual, ele nos passa uma dieta espiritual que depende daquilo que evitamos e aquilo que nos tem alimentado. Pedro começa sua dieta nos mostrando um Santo proceder, onde abandonamos hábitos antigos e passamos a alimentarmos do alimento celestial (1Pe 2.1). Naturalmente falando quando nos alimentamos errado, não temos um crescimento saudável. A falta de apetite ou a ingestão demasiada de alimentos provocam doenças. Se alimentar pouco e inadequadamente nos torna frágeis e passiveis de doenças também.
O que quero dizer com tudo isso, Pedro nos exorta que há uma dieta correta para crescermos espiritualmente. Ele compara todo cristão a um recém-nascido. Assim como um bebê chora pelo leite materno, nós devemos desejar ardentemente o genuíno leite espiritual. O interessante aqui, é que Pedro usa uma palavra forte para demonstrar esse desejo (επιποθέω / epipotheō: É algo que necessitamos para viver; desejar ardentemente).
Para um discípulo, estudar a palavra de Deus não é um trabalho, mas é algo prazeroso. Porque sabemos que nela encontramos alimento para nossa alma. O crescimento espiritual se dá por meio de nos alimentarmos das escrituras, e eu gostaria de destacar alguns pontos importantes que podemos aprender com esta mensagem de Pedro: 
O alimento
“...desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual...”
Toda mãe sabe que um bebê recém-nascido age como se sua vida girasse em torno do leite materno. Ele vive para esperar a próxima refeição. Assim também, cada um de nós como discípulos de Cristo, devemos desejar ardentemente aprender de Sua palavra. Devemos ter fome por ela. Assim como os bebês se alimentam com regularidade, nós também devemos nos alimentar constantemente da palavra da verdade! 
Pedro usa a expressão grega para expressar seu desejo pela palavra: γάλα λογικός / gala logikos, que é traduzida em muitas de nossas versões em português por leite espiritual. E quero dizer que esta expressão tem um rico significado, pois, a palavra λογικός / logikos é um adjetivo correspondente ao substantivo logos: “A palavra”. Cristo é o logos de Deus. Pedro destaca aqui a palavra de Deus. Pedro tinha total convicção que a palavra de Deus vive e permanece para sempre (1Pe 1.23-25). Por isso, para Pedro, a palavra de Deus é o genuíno leite espiritual e dela devemos nos alimentar. E a uma curiosidade aqui, Pedro destaca o genuíno leite, ele deve ser racional (genuíno) e não falsificado (não contaminado). É um alimento onde não há fraude e nem engano. Pois é um alimento espiritual e não material. É um alimento onde não há impurezas, a palavra de Deus é pura. Não há crescimento onde a palavra de Deus não é apreciada. Não há saúde espiritual onde a sã doutrina não está no cardápio diário. Alimentar-se de falsas doutrinas, ao invés do trigo da verdade é como beber leite contaminado. A palavra de Deus tem a vida, dá a vida e sustenta a vida, por isso precisamos ter fome da palavra de Deus.
O Proposito
“...para que, por ele, vos seja dado crescimento...”
A palavra de Deus nos torna sábios e nos dá o crescimento que necessitamos (2 Timóteo 3.15-17). Precisamos crescer. O curso natural para o discípulo é crescer e multiplicar. Deus moveu o coração do povo para reunir-se para buscar a Palavra de Deus. Eles não se reuniram ao redor de qualquer outro interesse. Hoje o povo busca resultados, coisas, benefícios pessoais e não a Palavra de Deus. Querem as bênçãos de Deus, mas não o Deus das bênçãos. Têm fome de prosperidade e sucesso, mas não têm fome da Palavra.
O livro de Neemias nos revela algo interessante acerca do crescimento espiritual. Quando o povo de Israel saiu do exílio na Babilônia, seu apetite espiritual estava fraco. Eles haviam se afastado de Deus e de Seus caminhos. Para que o povo voltasse a ter saúde espiritual, Neemias organizou um seminário bíblico e Esdras foi o professor. Esdras leu o livro da lei de Moisés desde a manhã até o meio-dia, alimentando o povo com a verdade de Deus (Neemias 8.3). E o povo ouviu atentamente. Na verdade, seu apetite pela Palavra de Deus foi tão estimulado que os líderes das famílias, os sacerdotes e os levitas se encontraram com Esdras no dia seguinte para estudar a lei com mais detalhes porque queriam compreendê-la (Neemias 8.13).
Quando nos sentimos distantes de Deus ou espiritualmente fracos, podemos encontrar nutrição e alimento espiritual na Palavra de Deus. “…desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento…” (1 Pedro 2.2). Peça a Deus que renove o seu desejo por um relacionamento com Ele e comece a alimentar seu coração, alma e mente com a Sua Palavra. Alimentarmo-nos da Palavra de Deus nos mantém fortes e saudáveis no Senhor.
A constatação
“...se é que já tendes a experiência de que o Senhor é bondoso.”
O nosso crescimento espiritual é resultado da bondade de Deus. Ele não nos dá somente a vida, mas Ele cuida de nós em todos os aspectos. Ele nos dá tudo aquilo que precisamos para crescer, para amadurecermos na fé.
O nosso crescimento é uma obra de Deus. Só Deus dá o crescimento. Só Deus pode abrir o coração. Sendo assim, precisamos depender mais dos recursos de Deus do que dos nossos recursos. O poder para realizar a obra de Deus não vem da nossa inteligência, ou dos nossos recursos financeiros, nem mesmo das nossas habilidades pessoais, mas de Deus. É ele quem escolhe, regenera, chama, justifica e glorifica. A salvação é obra de Deus do começo ao fim. Sabendo disso, devemos orar com mais fervor e com mais intensidade, como o fez a igreja primitiva. O crescimento espiritual retrata sua vida exuberante de oração. Oramos e os resultados aparecem. Os joelhos se dobram em oração e os corações se derretem na presença de Deus em sincera conversão.
Concluindo, Na medida em que a Palavra de Deus crescer e prevalecer, vamos experimentar um crescimento espiritual saudável. Todo crescimento está diretamente ligado à proclamação da Palavra de Deus. É ao anunciarmos o evangelho do Reino, que Deus chama os seus escolhidos. A fé vem pelo ouvir e ouvir a Palavra de Cristo. Deus escolheu salvar o homem pela loucura da pregação. Crescemos espiritualmente na medida em que a Palavra de Deus cresce em nossas vidas. Não podemos produzir o nosso crescimento, mas podemos proclamar o evangelho do Reino com fidelidade e no poder do Espírito Santo, sabendo que a palavra que sai da sua boca nunca voltará para ele vazia.
E quando nos voltarmos para Deus por intermédio da oração fervorosa e se voltar para o mundo para proclamar com poder sua Palavra, então, vamos experimentar um crescimento extraordinário, pois Deus honra a oração e a Palavra, alavancas do crescimento de sua igreja.
No amor de Cristo,
Chico