"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Você é alguém a quem Deus usa?


A maior necessidade do mundo é de homens e mulheres que sejam usados por Deus. Deus não unge métodos, unge homens. O mundo não está carecendo de melhores métodos, mas de pessoas melhores. Pessoas com o coração rendido a Cristo e seu propósito.
A Bíblia (em Lucas 3.1-7) nos mostra a vida de um homem que marcou sua geração. Havia 400 anos que a nação de Israel estava sem ouvir a voz de Seu criador. Depois de um longo silêncio, veio a voz do Senhor a João Batista. A voz de Deus não ecoou a João Batista no templo nem mesmo no palácio, mas no deserto. Aos olhos do mundo Deus usa gente estranha em lugares estranhos, mas João Batista não era um estranho para Deus, ele era fruto de profecia, resposta de oração, milagre do céu.
João Batista era um homem a quem Deus iria usar! João Batista tinha uma missão, o Senhor tinha um propósito para sua vida. Da mesma forma que hoje em nossos dias o Senhor nos tem chamado com uma missão, meu irmão minha irmã, Deus tem um propósito para nossas vidas: “fazer discípulos de todas as nações!!!”  Por isso, gostaria de compartilhar com vocês alguns pontos na vida de João Batista que são úteis hoje em nossa vida e caminhada rumo a cumprir o propósito a qual Deus nos tem chamado.
Por que Deus usou João Batista? 
Porque ele era uma lâmpada que ardia e alumiava: “Houve um homem enviado por Deus cujo nome era João. Este veio como testemunha para que testificasse a respeito da luz, a fim de todos virem a crer por intermédio dele. Ele não era a luz, mas veio para que testificasse da luz, a saber, a verdadeira luz, que, vinda ao mundo, ilumina a todo homem.” (João 1.6-9). 
João Batista não apenas proferia a verdade, ele era a boca de Deus. Ele falava com poder (“Porém que se diz? A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração; isto é, a palavra da fé que pregamos. Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação.” Rm 10.8-10). 
Hoje, há muitas palavras, mas pouco poder. Belos testemunhos, mas, infelizmente sem vida. A pregação de João Batista era o que ele conhecia de Deus e o que ele estava experimentando. Para levarmos a mensagem do reino de Cristo precisamos experimentá-la, conhecer a intimidade de Deus. 
Tenho um amigo que usa uma expressão que é muito real para nossa vida como discípulos: “Lata vazia é que faz barulho” é quando nos esvaziamos de tudo que é nosso e deixamos o Espírito Santo nos usar. Ai sim, vamos demonstrar o poder de Deus em nossas vidas. Não podemos estar indiferentes ao mover do Espírito Santo em nós: Não basta ser habitado pelo Espírito, mas, é preciso ser cheios do Espírito!!! 
Como Deus quer nos usar? Assim como podemos ver no texto de Lucas 3.5 o Senhor usou a vida de João Batista e assim que Ele quer nos usar:
  • Para aterrar vales: Vale é uma depressão, um buraco. Há abismos na vida do povo: Impureza, desânimo, comodismo, mundanismo. Um vale separa dois montes: falta de comunhão, mágoa, contenda, maledicência. João batista preparou o caminho do Senhor, assim o Senhor quer nos usar: aqueles o qual anunciam o evangelho do reino. O Senhor quer nos tornar engenheiros espirituais, capazes de construir estradas e pontes para o Mestre alcançar corações. E almas vazias deste mundo tão cruel.
  • Para nivelar os montes: Montes falam de orgulho e soberba. O orgulho e a soberba são montanhas que impedem a passagem do Senhor. Onde há soberba, Deus não se manifesta, pois Deus resiste ao soberbo (Tiago 4.6). Montes também falam de incredulidade. A incredulidade nos afasta de Deus e de suas bênçãos. João Batista proclama a necessidade de nivelar os montes, de passar a patrola de Deus e colocar esses outeiros abaixo. 
  • Para endireitar caminhos tortos: Caminho torto fala de duplicidade. Viver uma vida dupla. Não podemos ser impedimento para a manifestação de Cristo na vida das pessoas ao nosso redor. Não podemos professar nossa fé em Cristo e viver uma vida que não expressa Cristo em nossos atos e ações. Aqueles que professam o nome de Cristo, mas vivem como se Cristo não existisse, causam mais dano para o reino de Deus do que a vida de um ateu. Se quisermos ver a manifestação da gloria de Deus, precisamos endireitar os caminhos tortos. Deus é luz e aqueles que vivem nas trevas não podem ter comunhão com Ele. 
  • Para aplainar os caminhos escabrosos: Segundo o dicionário a palavra escabroso tem um sentido de algo oculto, diz-se de fatos ou casos esquisitos, estranhos, misteriosos, suspeitos. Caminho escabroso fala de algo que está fora de lugar. Há algo fora do lugar em sua vida? Como anda sua vida de dedicação ao Senhor? Que avaliação você faz de seu casamento? Como você tem lidado com o dinheiro? Qual é o grau de sua fidelidade a Deus em relação as suas ofertas e dízimos? João batista usou seu ministério para colocar no lugar esses terrenos escabrosos.
  • Concluindo, o Senhor nos tem chamado e nos dado uma missão: “pregar o  evangelho, fazer discípulos” A mensagem do evangelho do reino transforma vidas, como podemos ver no texto de Lucas 3, o tempo em que João Batista viveu foi marcado por uma profunda crise espiritual, nada diferente dos dias em que estamos vivendo, mas amados, não podemos esquecer que a pregação do evangelho do reino prepara o caminho para uma grande benção: Uma benção sem limites: “Toda a carne verá a salvação de Deus” (Lucas 3.6). Quando cada um de nós entendermos a nossa missão como proclamadores das verdades do reino, a graça de Cristo se multiplica e multidões vêm a Cristo. Quando aceitamos nossa missão algo tremendo e extraordinário acontece no mundo, vidas se rendem a Cristo e o declaram como senhor de suas vidas. Que em 2013 tudo possa ser diferente em minha vida, que eu possa aceitar o convite de Cristo em compartilhar com todos os que fazem parte da minha vida e do meu dia a dia a mensagem do evangelho!!!

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Um bom 2013!



“Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira que alcancemos corações sábios.” (Salmo 90.12).
Muitos estão esperando ansiosos a chegada do ano novo, para que um novo tempo possa trazer um pouco de paz ao coração, na esperança que algo novo possa acontecer. Outros, quem sabe, nem esperam mais momentos alegres, por causa da dureza do momento em que vivemos. Mas, o ano anuncia a possibilidade da chegada de outro.
Assim, desejo que, neste novo ano, você alcance a sabedoria de desfrutar da simplicidade de Cristo com muita paz e alegria em seu coração. Desejo, também, que Cristo e Suas palavras, não caiam no vazio da correria e distração de nossos afazeres, mas você possa doar-se às pessoas ao seu redor que estão carentes para receber da graça celestial que está em sua vida. Desejo que sua vida contagie com o amor e a bondade de Cristo todos que fazem parte de seu dia a dia, e assim, você possa fazer discípulos. Que Cristo seja a paz do seu lar, trabalho e convivência nos relacionamentos. Receba o melhor de Deus para sua vida, pois, não estamos sós. O Pastor de nossas almas, Jesus Cristo está atento em cumprir o seu propósito em nós!
Feliz 2013!
No amor de Cristo,
Chico

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

O valor de uma vida


Uma pergunta deve permear o nosso coração ao lermos Marcos 5.1-20: “Quanto vale uma vida para Jesus?” Podemos responder esta pergunta à luz do texto concluindo que Jesus fez um alto investimento na vida deste homem, pois Ele enfrentou a fúria do mar (Marcos 4.37-41) e depois a fúria deste homem possesso. Marcos diz que Cristo vai de um mar agitado a um homem agitado. Humanamente pensando podemos dizer ambos eram indomáveis, mas não para Jesus, para Ele este homem tinha valor! Todos já tinham desistido dele, menos Jesus. Jesus não vê dificuldades para salvar uma vida. Essa é a expressão do infinito amor de Jesus.  Uma segunda pergunta se torna importante neste texto: “Quanto vale uma vida para satanás?” Satanás roubou tudo de precioso da vida deste homem: Sua família, sua saúde (física e emocional), sua dignidade, sua paz e decência. Havia um poder incomum dentro daquele homem, transformando sua vida um verdadeiro inferno. Diante destas questões que Marcos nos mostra neste texto, podemos ver três forças operando na vida deste homem: “Satanás, a sociedade e Jesus Cristo.” Gostaria de compartilhar com vocês alguns pontos:
O QUE SATANÁS FAZ PELAS PESSOAS
    No texto de Marcos 5 podemos ver que satanás não faz nada pelas pessoas, mas contra as pessoas. Ele não da nada, pelo contrário, ele tira tudo. Satanás domina as pessoas através da possessão. “E, saindo ele do barco, lhe saiu logo ao seu encontro, dos sepulcros, um homem com espírito imundo...” (vs. 2). A possessão demoníaca não é um mito, mas uma triste realidade. Milhares de pessoas hoje vivem em cadeias e prisões do pecado. Este homem gadareno não estava no controle de sua vida, suas palavras e atitudes eram determinadas por espíritos imundos, que determinavam seus atos. Reflexo de uma vida carregada de ódio e rancor. Foi como aconteceu com Judas, satanás entrou nele e destruiu sua vida (“Jesus respondeu: É aquele a quem eu der o bocado molhado. E, molhando o bocado, o deu a Judas Iscariotes, filho de Simão. E, após o bocado, entrou nele Satanás. Disse, pois, Jesus: O que fazes, faze-o depressa.” João 13.26-27). E algo muito triste aqui é vermos o efeito de uma vida separada de Deus e sem esperança. Uma vida sem temor, sem amor próprio, ferindo-se a si mesma e espalhando terror aos outros.
O QUE A SOCIEDADE FAZ PELAS PESSOAS
     A sociedade por meio de seus poderes constituídos tem a responsabilidade de cuidar da ordem publica. Seu papel é promover o bem e coibir o mal. Mas, infelizmente temos visto o poder publico desistindo de manter a ordem. O que vemos hoje é uma sociedade que isola as pessoas problemáticas e as joga em prisões. As prisões não libertam as pessoas, nem as transforma ao contrario, elas tem se tornado mais violentas ainda (“Porque, tendo sido muitas vezes preso com grilhões e cadeias, as cadeias foram por ele feitas em pedaços, e os grilhões em migalhas, e ninguém o podia amansar.” Vs. 4). A sociedade não tem poder para resolver o problema do pecado e nem para libertar as pessoas das garras de satanás. A sociedade não pode fazer nada por esse homem e se conformou a viver junto dele. E ao invés de se alegrar com o que Jesus fez por ele pede para Jesus se retirar de suas terras. Somente o evangelho transforma. Somente Jesus liberta. Não há esperança para o homem, para a família e para a sociedade à parte de Jesus.
O QUE JESUS FAZ PELAS PESSOAS
     Jesus se manifestou para destruir as obras do diabo (“Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo.” 1 João 3.8). Diante da autoridade da palavra de Cristo aquele homem ficou livre. Cristo é o libertador dos homens! Aonde Ele chega, os cativos são libertos. Jesus devolve a dignidade aquele homem (“E foram ter com Jesus, e viram o endemoninhado, o que tivera a legião, assentado, vestido e em perfeito juízo, e temeram.” Vs. 15). Aquele que vivia perturbado, correndo de dia e de noite, sem descanso para a mente e o corpo, agora esta sereno, quieto, assentado aos pés de Cristo. A prova da conversão é a mudança! A conversão sempre deixa visível pontos importantes de uma nova vida, a Bíblia nos mostra vários exemplos, posso citar ao menos um: “Zaqueu” Que antes era um amante do dinheiro ao se converter a Cristo, devolveu metade de seus bens aos pobres. Aonde Jesus chega, Ele restaura a mente, o corpo e a alma. Esse homem não é mais violento, ele não oferece mais nenhum perigo a família nem a sociedade. Jesus dá a esse homem uma gloriosa missão (Vs. 18-20). Jesus envia-o de volta a sua família como um missionário em sua casa, para testemunhar entre seus amigos e familiares. Aquele que antes espalhava medo e horror, agora anuncia o evangelho do reino. O que antes era um problema para a família, agora é uma benção!
    Concluindo, neste texto Jesus nos ensina que nosso testemunho começa em nossa casa. Nosso campo missionário deve ser aqueles que fazem parte de nossa rotina diária. As pessoas precisam ver a transformação que Cristo operou em nossa vida. O que Deus fez por nós, precisa ser visto e anunciado aos outros!