"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



quinta-feira, 25 de junho de 2015

O segredo de uma vida piedosa

“Guardo no coração a tua Palavra para não pecar contra ti” (Sl 119.11).
O Salmo 119 faz a maior apologia sobre a Palavra de Deus de toda a Bíblia. Este é o maior capítulo da Bíblia com cento e setenta e seis versículos dedicados a exaltar as Escrituras. Conhecer, viver e transmitir a Palavra de Deus é o grande segredo de uma vida piedosa. Dentre essas pérolas preciosas, gostaria de destacar um versículo 11 do Salmo 119 e extrair dele três verdades preciosas para nossa reflexão: 
1. Devemos guardar a Palavra de Deus
O homem tem uma tendência natural de ser um colecionador. Ele sempre está guardando e armazenando alguma coisa. Há aqueles que ajuntam dinheiro, pensando que a riqueza lhes dará mais segurança no futuro. Mas o dinheiro não é seguro nem oferece segurança. Os ladrões, a traça e a ferrugem consomem o dinheiro. O dinheiro também não proporciona a verdadeira felicidade. Há aqueles que guardam seus troféus e títulos. Ficam embriagados pelo seu próprio sucesso. Muitos ainda guardam lembranças amargas, abastecendo a alma com reminiscências dolorosas. Davi, mesmo sendo um homem rico e coroado de sucesso e fama, mesmo passando por vales escuros de sofrimento atroz, resolveu guardar não bens ou lembranças, mas a Palavra de Deus. Guardar a Palavra é melhor do que armazenar ouro. Reter a Palavra é melhor do que amealhar riquezas. É pela Palavra que o jovem pode guardar puro o seu coração. É pela Palavra que  somos santificados. É pela Palavra que somos instruídos, consolados e capacitados para vivermos piedosamente. A palavra de  Deus é preciosa que ouro e mais doce que o mel. A palavra de Deus é luz que orienta, é pão que alimenta e é água que purifica. Só teremos a posse da Palavra de Deus quando a guardarmos na mente e a retemos no coração.
2. Devemos guardar a Palavra de Deus no coração
      Hoje nós temos acesso a muitas Bíblias de estudo, mas por incrível que pareça, aumenta o desconhecimento da Palavra. Há crentes que gostam de fazer coleção de Bíblias, enchendo prateleiras de exemplares nas mais variadas versões, mas não guardam a Palavra de Deus no coração.
      Outras pessoas lidam com a Bíblia de forma mística, mantendo-a aberta no Salmo 91, esperando com isto afastar as más influências. Ainda outros, consultam-na como se fosse um horóscopo cristão, abrindo-a aleatoriamente e interpretando os textos fora do seu contexto. Muitos crentes, de forma imatura, acabam proibindo em nome de Deus o que Ele não está proibindo e aprovando em Seu nome o que Ele reprova. A Bíblia precisa ser lida e interpretada corretamente. E mais, ela precisa ser guardada no coração. Jesus triunfou sobre as tentações do diabo no deserto porque a Palavra estava no seu coração e jorrava abundantemente dos seus lábios. Muitos discípulos tem confundido o significado do discipulado, pois pensam que discipular alguém é transmitir conhecimento, mas o verdadeiro discipulado é fruto de uma prática de vida onde a palavra de Deus nos conduz a observância daquilo que Jesus Cristo nos ordenou (Mt 28.19-20).
3. Devemos guardar a Palavra de Deus, para não pecarmos contra Ele
      Um servo de Deus escreveu certa feita na capa da sua Bíblia: “Este livro afastará você do pecado ou o pecado afastará você deste livro”. Afastamo-nos do pecado à medida que nos aproximamos da Palavra ou nos afastamos da Palavra à medida que flertamos com o pecado. Não podemos guardar ao mesmo tempo o pecado e a Palavra em nosso coração. A Palavra de Deus, na verdade, é um antídoto contra o pecado. Por ela somos lavados, purificados e vivificados. Na medida em que lemos a Palavra, ela nos lê. Quando a examinamos, ela nos examina e nos corrige. A falta de conhecimento bíblico da nossa geração é a maior causa de um cristianismo aguado e sem consistência. Crentes imaturos não se alimentam de comida sólida. Eles ficam sempre nos rudimentos. Crentes fortes, robustos na fé, piedosos e cheios do Espírito são aqueles que têm fome da Palavra e têm nela todo o seu deleite e prazer. Hoje, muitos crentes buscam sucesso nas leis pragmáticas do mundo, mas o verdadeiro sucesso está em meditar, obedecer e ensinar a Palavra de Deus. Somente aqueles que meditam na lei de Deus de dia e de noite é que são como árvores frutíferas plantadas junto às correntes das águas. O ímpio que rejeita a Palavra pode até alçar vôos elevados, mas seu vôo é apenas como a palha que o vento dispersa.
      Concluindo, minha oração é para que o Senhor levante uma geração que ame a Palavra, que tenha fome da Palavra, que viva a Palavra e que a proclame no poder do Espírito Santo!

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Saboreie cada pedaço!

“Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca.” (Salmo 119.103).
Em meu devocional nesta manhã, me lembrei de uma conversa que tive com minha médica sobre a dificuldade que eu estava enfrentando com a minha dieta alimentar. Em meio a conversa ela me fez uma afirmação: “Você come rápido demais! Vá com calma e aprecie sua refeição, descubra a riqueza dos sabores.” E ao sair da consulta cheguei a conclusão que geralmente eu comia muito rápido, não sabia saborear cada pedaço lentamente.
Diante das palavras do salmista fico imaginando quantos de nós se apressam na leitura da Palavra de Deus sem realmente saboreá-la. O salmista disse, “Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar! Mais que o mel à minha boca.” (Salmo 119.103). Isso me parece bom!
Quais são os benefícios de nos deliciarmos com o rico alimento das Escrituras? Uma refeição diária composta da Palavra de Deus nos ajuda a impedir que a ansiedade, o orgulho, o medo e a tentação infestem nossos corações subnutridos, e nos fortalece para uma jornada vitoriosa.  Há riqueza e nutrição na palavra:
1. A Palavra nos dá sabedoria e entendimento (Salmo 119.98-100);
2. Ela nos ajuda a refrear nossos pés do mal (Salmo 119.101).
Assim como nosso sistema digestivo distribui nutrientes para os nossos corpos, a Palavra de Deus, quando digerida, nutre nossas mentes, emoções e vontades. Ao invés de agarrar a Palavra com pressa logo antes de sair, é importante lê-la em um momento e em um lugar onde podemos realmente ter comunhão com Deus. Invista tempo e delicie-se saboreando a riqueza da Palavra de Deus.
A Palavra de Deus provê os ingredientes de que precisamos para prosperar espiritualmente.


Uma visão mais ampla do Filho

“… os olhos, como chama de fogo; os pés, semelhantes ao bronze polido, como que refinado numa fornalha; a voz, como voz de muitas águas.” (Apocalipse 1.14-15).
No livro de Apocalipse Deus nos mostra um aspecto de Seu Filho não revelado a nós nos evangelhos. Nos evangelhos, vemos Jesus como Salvador, e em Apocalipse, como Rei. O primeiro mostra Seu amor, o último, Sua majestade. No cenáculo, Jesus cinge os lombos para servir; em Patmos, Ele se cinge na altura do peito para a guerra. Nos evangelhos, Seus olhos de ternura comovem Pedro; em Apocalipse, eles são como chama de fogo. No primeiro, Sua voz é suave ao chamar Seu rebanho pelo nome, e palavras de graça saem de Sua boca; aqui, Sua voz é terrível como o som de muitas águas e de Sua boca uma espada afiada de dois gumes aflige até a morte Seus inimigos.
Não basta conhecermos Jesus como Cordeiro de Deus e Salvador do mundo; devemos conhecê-lO também como Rei de Deus, Juiz de Deus. Quando O vemos como Salvador, exclamamos: “Quão amável!” e nos reclinamos sobre Seu peito. Quando O vemos como Soberano, clamamos: “Quão terrível!” e caímos prostrados aos Seus pés.
(Extraído do clássico “Uma mesa no deserto”, de Watchman Nee, pela Editora dos Clássicos)