"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Coerência!

Havia um comercial na televisão que apresentava um produto que precisava ser algo que na verdade não era. A chamada era: Parece mas não é. Há pessoas que vivem exatamente assim, de aparências. Parecem ser ricos pelos bens que ostentam: Os carros e as roupas da moda, mas na verdade estão afundados em dividas. Quem já não se enganou em relação as amizades que pareciam ser tão sinceras? Há casamentos falidos porque a vida a dois revelou que as palavras e os carinhos dos tempos de relacionamento apenas parecia alguém que amava.
No texto de 1ª João 2.1-11, encontramos fortes palavras contra a vida de aparências. Ele insiste que a vida cristã é prática e quem a vive não tem nada para esconder. Se tivesse de usar uma só palavra, João usaria: AUTENTICIDADE. Quem segue verdadeiramente a Jesus é autentico em suas ações e intenções. Quem diz que ama a Deus deve fazer exatamente o que Ele diz. O mesmo se dá em relação ao amor de uns para com os outros, debaixo da mesma fé.
É exatamente na área dos relacionamentos que encontramos o maior numero de esconderijos capazes de ocultar a verdade. Quem conhece de verdade o que está por detrás das palavras que pronunciamos, dos abraços que oferecemos, na amizade que demonstramos e das orações que dirigimos a Deus? Temos a tendência de pensar que, abrigados nas cavernas que construímos, estamos seguros. Ninguém nos descobrirá! Mas esquecemos que a vida cristã não é praticada no oculto, mas sob o foco da luz que é a palavra de Deus. Quanto mais luz, mais revelará o que está em nosso interior.
Deus demonstrou a autencidade de seu amor enviando Jesus ao mundo. Não há prova mais concreta do amor que está no coração d’Ele. E o Senhor deseja que nós também vivamos a autencidade do evangelho.
Nada mais coerente para quem diz que anda com Deus!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Turbulência passageira

Hoje pela manhã ao meditar no evangelho de João, um versículo me chamou a atenção: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.” (João 14.1), me fez lembrar, de um vôo que fiz de Curitiba a Londrina no Paraná. O vôo atravessou um período de muita turbulência e neste momento muitas coisas passam pela nossa cabeça. Recordo-me que no auge da turbulência me vi orando a Deus e clamando por livramento. E com muita paz o vôo aterrissou em Londrina, e apesar de muita aflição todos chagaram intactos ao solo.
O contexto deste versículo é um momento de muita agitação para os discípulos: Jesus acabara de anunciar que havia um traidor entre eles, anunciou ainda, que Pedro o haveria de negá-lo por três vezes. E neste clima Jesus anuncia estas palavras que além de trazer paz, nos da direção de quem é Jesus: O único caminho que nos leva ao Pai! (Jo 14.6).
Não sei como está o seu coração neste momento, mas queria te dizer algo, em meio a lutas e turbulências, independente de situações ou circunstâncias que podemos estar enfrentando e nos deixando agitados e aflitos. As palavras de Jesus devem ser balsamo para nossas vidas: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim.”

domingo, 20 de novembro de 2011

Para meditarmos!

O que você tem feito para edificar Deus em sua vida?
Você anseia por passar tempo com Deus no estudo de Sua palavra ou isso é uma obrigação para você?
Precisamos ter a compreensão e gratidão por tudo que Deus nos tem ensinado sobre Si mesmo e Seu amor por nós.
Que Deus possa sempre nos surpreender com alegria renovada no tempo em que passamos com Ele!    

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Um belo cartão

“Conta-se uma lenda, que certo artista havia descoberto o segredo de um vermelho extraordinário que nenhum outro conseguia imitar. O segredo de sua cor morreu com ele. Porém, após sua morte descobriram-lhe no peito uma ferida antiga, sobre o coração. Isso revelou a fonte do inigualável tom de suas pinturas. A lenda ensina que nenhuma grande conquista poderá ser feita, nenhum alto ideal será alcançado, coisa alguma de valor será realizada em prol do mundo, a não ser a preço de sangue vertido do coração.”
Esta bela história é um trecho de um cartão que recebi de uma família muita preciosa para mim e que muito alegrou meu coração. Passei muito tempo lendo e relendo este belo cartão e gostaria de compartilhar com todos que lêem meu blog. Este cartão me fez refletir o imenso amor que Jesus derramou sobre minha vida e Seu chamado para que eu possa levar uma mensagem de esperança a todos que eu tiver oportunidade de comunicar o reino de Deus.

No amor de Cristo, Chico.

sábado, 5 de novembro de 2011

Como é bom poder simplesmente dizer: “Ta doendo”

“Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas em mim? (Salmos 42.5a).
Precisamos entender que em tudo somos dependentes do Senhor. E há momentos em nossas vidas que esta dependência se torna muito maior! É quando enfrentamos as dificuldades e problemas, que se levantam em nossas vidas, onde nos vemos confusos e aflitos. E estranhamente nos vemos emocionalmente abatidos. Em meio a esta situação de caos, soa como um canto de esperança a resposta do salmista ao seu lamento: “Espera em Deus, pois ainda o louvarei na salvação da sua presença.” (Salmos 42.5b).
O Senhor apruma todos os prostrados (Salmos 145.14), ou a afirmação de que o Senhor levanta os abatidos (Salmos 146.8). Por que estou tão triste? Por que estou tão aflito? Eu porei a minha esperança em Deus e ainda o louvarei. Ele é o meu Salvador e o meu Deus. Esta seria a resposta que Deus esperaria de nós em meio as nossas angustias. Mas ainda colocamos nossas expectativas na medicina, na psicologia, psicoterapias... Por acharmos que nossos problemas são complexos demais e insistem em não nos deixar. E nos esquecemos de buscar em Deus resposta para nossas queixas, o salmista buscava em Deus por meio de orações precisas, tais como: “Cura-me” – “Descomplica-me” – “Liberta-me” – “Desamarra-me.” Precisamos nos derramar, deixar fluir do meio de nossas feridas nosso lamento. Nossas orações têm que ser precisas, nos colocar aos pés do Senhor e declarar a nossa dor. Quanto mais precisa for a nossa suplica, melhor será a sua eficácia.
Gosto de sempre lembrar aos irmãos, que Jesus não dava ênfase aos milagres, Ele não estava preocupado apenas com a multiplicação de pães e peixes, ou apenas com a cura de cegos, mudos, paralíticos e leprosos. Ele se preocupou também com aqueles que carregavam dentro de si cargas demasiadamente pesadas e difíceis de carregar (Mateus 11.28). O Senhor Jesus sabe muito bem o que é tristeza, sabe o que é angustia, pois no Getsêmani ela as enfrentou: “A minha alma está profundamente triste até a morte...” (Mateus 26.38). Amados, o Senhor nos encoraja a buscá-lo, achegar-se a Ele com o coração quebrantado e pedir Sua ajuda. Ele se compadece de nossas angustias. É como diz o autor do livro aos Hebreus: “Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna.” (Hebreus 4.15-16).

No amor de Cristo.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Dia de comunhão em Itapira/SP

  Neste feriado do dia 02/11, passamos o dia em comunhão com os irmãos Davi e Rosineide e sua filha Anna Luiza, foi um tempo de benção para nossas vidas. Segue abaixo algumas fotos deste momento: