"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



quarta-feira, 2 de maio de 2012

A frutificação pela palavra de Deus

Os textos chave para nossa compreensão da ação da palavra na frutificação é a parábola do semeador anunciada por Jesus às multidões (Mt 13.1-8 e Lc 8.4-8) e explicada aos discípulos (Mt 13.10-13; 18-23 e Lc 8.9-15). O Tema é a frutificação: “Mas o que foi semeado em boa terra este frutifica, e produz, a cem, a sessenta e a trinta por um” (Mt 13.23). Alguns ensinamentos da parábola que nos são relevantes:
1.   A mensagem
Não é qualquer tipo de palavra que produz frutos na vida dos discípulos, mas a palavra do reino (Mt 13.19) ou palavra de Deus (Lc 8.11), isto é, a palavra que traz o governo de Deus, o evangelho do Reino (Cf. Mt 3.1-2).
2.   Os tipos de solo
Jesus fala de 4 (quatro) tipos de solo:
  • À beira do caminho, se refere àqueles que recebem a palavra superficialmente. Falta-lhes compreensão das implicações, da necessidade de arrependimento e conseqüente mudança de atitude em relação à palavra do reino. Ai vem Satanás e tira o que foi semeado no coração e impedem sua salvação (Mt 13.19 e Lc 8.12);
  • Solo Rochoso, uma referência àqueles que ouvem a palavra com alegria, mas não permitem que ela se enraíze, e chegando a angústia a perseguição e provação se escandalizam isto é negam a fé, se desviam (Mt 13.21 e Lc 8.13);
  • Solo espinhoso, referindo-se àqueles que ouvem a palavra do reino, mas não o priorizam. Os cuidados do mundo, a fascinação das riquezas (Mt 13.22). Lucas 8.14 inclui “deleites da vida”,  sufocam a palavra tornando-a infrutífera (Mt 13.22), isto é os frutos não chegam à amadurecer (Lc 8.14); e,
  • Solo bom ou boa terra, ou seja, aqui discípulos que produzem frutos, se multiplicam (Mt 13.23). Lc 8.14 inclui a expressão “Com perseverança”.
Outro texto interessante é o Salmo 1, que contrasta o justo com o ímpio. O Texto (Sl 1.1) mostra uma escada decrescente de degradação moral e espiritual relacionando-a com o homem bem aventurado que não anda:
  • No conselho dos ímpios (ensino, orientação, mentorização etc.). Este é o primeiro estágio da degeneração;
  • Não se detém no caminho dos pecadores (desobediência, incredulidade, imoralidade e toda perversão da verdade) e finalmente,
  • Não se assenta na roda dos escarnecedores (estilo de vida comprometido com a impiedade). Estes não prevalecerão no juízo nem permanecerão na congregação dos justos porque são como palha que o vento dispersa (Sl 1.4-5).
O Senhor conhece o caminho dos justos (Sl 1.6). Estes são aqueles cujo prazer está na lei (palavra) do Senhor e nela medita dia e noite (Sl 1.2). O Justo que é instruído na palavra de Deus é comparado à árvore plantada junto às correntes das águas que, no seu tempo dá seu fruto (Sl 1.3). Não tenhamos dúvidas, a palavra de Deus como nossa marca característica de fé e prática, nos torna discípulos saudáveis e frutíferos. Atentemos para a oração de Jesus: “Santifica-os (seus discípulos) na verdade; a tua palavra é a verdade” (Jo 17.17).