"Cristãos na teoria nem sempre são
discípulos na prática"



quinta-feira, 24 de julho de 2014

A vida em comunidade

Atos 2.44, diz assim: “Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum.” Atos 4.32, nos ensina que: “Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum.”
O crescimento espiritual é produto da vida em comunidade. A palavra comunidade tem a mesma raiz da palavra grega κοινονια / koinonia, que significa comunhão. Pode ser definida como todo agrupamento de pessoas em torno de direitos, responsabilidades e alvos comuns. Sua expressão coletiva define sua Natureza (origem), Identidade (o que ela é), e sua Finalidade (para que existe).

1. Natureza da Comunidade Cristã

A comunidade cristã difere essencialmente de quaisquer outras comunidade. Sua natureza (origem) é divina. Compreende o Eterno Propósito de Deus de ter um povo exclusivamente seu (2Co 6.16-18; 1Pe 2.5-9; Ef 4.1-6 e Tt 2.13-14). A comunidade cristã se expressa no mundo como:
· A família de Deus Pai
· O corpo de Deus
· O templo do Espírito Santo (Ef 2.19; Ef 1.22-23 e Ef 1.22)
Sua missão consiste em manifestar e dispensar o Deus Triuno (Cl 2.9 comparar com Ef 3.10-21).
2. Importância da Comunidade
Marcos 3.14-15 “Então, designou doze para estarem com ele e para os enviar a pregar e a exercer a autoridade de expelir demônios.”
O exemplo de Jesus. Chamou doze homens para estarem com Ele, ensinou-os a manterem relacionamentos íntimos com Deus e entre eles (conferir Mt 20.25-26), e tão somente depois foram enviados. O propósito de Deus é formar um povo, uma entidade coletiva, onde possa colocar  o seu nome (Glória, honra, natureza e caráter). A comunidade é o principal elo com Deus (1Co 11.3 e Ef 1.22-23) e com os Homens (1Co 12.13; At 2.42-47 e Ef 4.1-16).

3. Uma Comunidade Missionária em Torno de Jesus

A comunidade cristã deve estar reunida em torno da pessoa de Jesus Cristo. Dois ou três é representativo de uma comunidade de pessoas em volta de Jesus, comprometidas com Ele, adorando-O e dispostas a servi-Lo e ao Seu Reino neste mundo (Mt 18.20). A comunidade primitiva, um corpo de testemunho no poder do Espírito Santo (At 1.8). O testemunho procedia da comunhão e terminava por levar outros a mesma comunhão (1 Jo 1.1-3). A vida em comunidade servia de plataforma para testemunho poderoso dos apóstolos (At 2.42-43). O mundo só vai conhecer que somos discípulos através da vida em comunidade (Jo 13:34-35).

Conclusão:

Escolher a Cristo, não é somente uma relação com Ele, mas escolher tomar um lugar na comunidade local, onde se possa encontrar:
a. NUTRIÇÃO:
Ensino, palavra, exemplo, disciplina.
b. PROTEÇÃO:
Pela oração, conselho, comunhão, supervisão e cobertura espiritual.
c. FORMAÇÃO:
Pelos mandamentos claros e o controle por fazer juntos a obra de Deus pela convivência transparente.
d. INTEGRAÇÃO:
Pelo conhecimento e envolvimento na comunidade de fé e pela ajuda mútua. Isto é, o corpo unido entre si pela ajuda mutua.
“... de quem todo o corpo, bem ajustado e consolidado pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor.” (Efésios 4.16).  
“...e não retendo a cabeça, da qual todo o corpo, suprido e bem vinculado por suas juntas e ligamentos, cresce o crescimento que procede de Deus.” (Colossenses 2.19).